Notícias

Assina as Revistas: Boa Nova e Igreja e Missão

Participa e inscreve-te em : UM Sorriso para TI - 2016

Um Sorriso para Ti 2016 a 2018 - FICHA DE INSCRIÇÃO


20172017

 

Mário Augusto Ferreira Pêgo

 

Acabamos de saber que faleceu ontem, dia 24 de Abril de 2017, o nosso Amigo Mário Pego, por Insuficiência cardíaca.

Natural de Mogadouro, entrou em Tomar em 1949. Frequentou os Seminários de Tomar e Cernache do Bonjardim. Esteve em Angola em serviço militar. Era Adido Militar em Lisboa. Há anos que sofria de insuficiência renal e fazia hemodiálise três dias por semana.

O funeral realizou-se no dia 25 na Igreja de Linda-a-Velha.

Ergamos ao Senhor Deus nosso Pai uma ardente prece por este nosso irmão que partiu.

 

a) Santos Ponciano

 


 

 

Papa Francisco


 

Caros Amigos,

A quem estes assuntos costumam interessar…

Em anexo remeto cartaz anunciador do debate organizado e moderado pelo Senhor Pe.

Anselmo Borges a ocorrer em Gaia e em Lisboa.


A temática é: PAPA FRANCISCO: Líder Politico-Moral Global


Em Gaia no dia 26 de Abril, 21:30h, na Capela do Convento Corpus Christi

Em Lisboa no dia 2 de Maio, 18:30h, na Fundação Calouste Gulbenkian

 

a) Santos Ponciano


 

 

 

Irmão José Celso Ferreira Cardoso

 

Senhor Deus do universo, que neste dia, pelo Vosso Filho unigénito, vencedor da morte, nos abristes as portas da eternidade, concedei-nos que, celebrando a solenidade da ressurreição de Cristo, renovados pelo Vosso Espírito, ressuscitemos para a luz da Vida. Por NSJC… (Oração do dia de Páscoa).

Hoje, Segunda-feira da Páscoa,  (18 de Abril de 2017) com 80 anos de idade, partiu para a casa do Pai. Agradecemos a todos os profissionais de saúde e às colaboradoras do Lar de Santa Teresinha que acompanharam e suavizaram o prolongado calvário do nosso Irmão. Tendo nascido a 8 de setembro, dia de Nossa Senhora, foi nesse dia que fez o seu juramento missionário em 1952 e o renovou em 1959 e 1962. Era profundamente devoto de Maria.Em 2001, a saúde começou a deteriorar-se. Fez operações à coluna, mas a doença de Parkinson imobilizou-o cada vez mais. Assumiu o sofrimento como a sua “missão mais difícil” em oração e sacrifício pela Missão com grande resignação.

Apesar da dificuldade em movimentar-se, todos os dias queria almoçar com a comunidade do seminário e interessava-se pelas notícias da Sociedade a que servia na dor.Em Cucujães, foi responsável pela catequese no Centro de Santa Luzia, dinamizando a fé das crianças e das catequistas. Colaborou com o seu irmão P. Nuno Cardoso, pároco de Alfena, sendo um dos responsáveis pelo jornal paroquial.Foi o rosto visível da Sociedade junto de amigos e colaboradores, paróquias, livrarias e instituições religiosas.

Junto com os padres, promoveu retiros e muitos fins de semana de animação missionária. Era conhecido em todas as regiões do país. Em 1994 voltou a Cucujães como Director-adjunto da Editorial Missões, a trabalhar na difusão das nossas publicações, assim como na publicidade. Foi o iniciador do Calendário Jovem e multiplicou a edição de postais com mensagem. Em 1990 partiu para Moçambique, onde colaborou na Procuradoria das Missões, em Maputo. Em 1991 foi nomeado para Lisboa como Procurador das Regiões Missionárias e Promotor das edições da Editorial. Trabalhou em Cucujães como administrador da revista Boa Nova e da Voz da Missão e Adjunto do Director da Escola Tipográfica das Missões. Em 1982 foi nomeado Director-adjunto da Editorial Missões para a Administração e a Difusão. O Irmão Celso era natural de Argoncilhe, Santa Maria da Feira, Diocese do Porto, onde nasceu no dia 8 de Setembro de 1936. Entrou na SMBN em 1952, fez o seu Juramento Temporário ao completar 20 anos de idade e o Juramento Perpétuo aos 26.

a) Padre Jerónimo

 


 

 

SANTA PÁSCOA - FESTAS FELIZES

 

Jesus Cristo Ressuscitado está connosco.

 

são os nossos votos para todos os Armistas e suas Famílias.


 

 

Rádio AdGentes


Caros Armistas,

A Rádio AdGentes transmite para todo o mundo as cerimónias da Semana Santa, nos dias 14 e 15 de abril, pelas 21 horas, em direto da Igreja Matriz da Paróquia de São Martinho da Vila de Cucujães.


Boas Festas Pascais

a) a direcção

 

 


 


Boletim n.º 120

Fevereiro de 2017


Boletim n.º 120 -15-3-2017 - Após o envio do nosso boletim em papel, via CTT, segue agora o boletim em PDF.


Aproveitamos para reforçar a importância do projeto "Um Sorriso para ti" que visa o apoio, principalmente, ao nível da alimentação e de recursos pedagógicos, a mais de 500 crianças que frequentam as escolinhas ao cuidado da SMBN no Chibuto, Malema e Pemba (Moçambique).

 

a) Direcção


 


 

 

 

Encontro Anual de 2017

 

 

O nosso Encontro Anual com Assembleia Geral irá decorrer no dia 21 de maio no Seminário S. Francisco Xavier, no Alto da Fazarga, em Fátima. Nesta Assembleia, eleger-se-à nova direcção para o triénio 2017-2020. Mais uma razão para uma participação em massa neste encontro, pois é de grande importância debatermos sobre o rumo que queremos para a ARM e escolhermos aqueles que encabeçarão este rumo. (15/3/2017).

 

a) a Direcção

 

 

 


 

 

Bodas de Prata do Padre Anastácio Jorge

Maputo, 5 de Março de 2017


Padre Anastácio Jorge

Meus Caros!

Iniciam-se amanhã, dia 5 de Março de 2017, as cerimónias das Bodas de Prata de Sacerdócio do Senhor Pe. Anastácio Jorge.

Anexo documento que me chegou de Moçambique, nada mais tendo a acrescentar quanto à sua biografia e obra.

Tive o privilégio de conhecê-lo pessoalmente na Missão, de ver a sua obra, conhecer o seu forte carácter, os seus receios, a sua enorme capacidade de trabalho, dedicação e generosidade, a sua imensa sabedoria, mas, principalmente, a sua humildade. É um Missionário de mão cheia. Que Deus o abençoe e lhe dê muita saúde.

a) Santos Ponciano

 


 

Mensagem de D. António Couto para a Quaresma 2017

Publicada por Jerónimo Nunes no FaceBook

 

msg_quaresma_20-17

O DOM ALUMIA, MAS O PECADO CEGA


  1. «O outro é um dom», «o pecado cega-nos», «a Palavra é um dom», são, por esta ordem, os subtítulos ou fios condutores com que o Papa Francisco costurou a sua mensagem para esta Quaresma de 2017 que agora se inicia. Entre «dom» e «dom», o pecado, que é uma espécie de nó cego no coração, bloqueia-nos num mundo de portas fechadas a cadeado, tornando-nos imunes, isto é, vacinados, indiferentes, insensíveis, face aos outros e face à Palavra, aquela que vem de Deus, Palavra criadora e carinhosa, e aquela que vem dos outros, da ternura dos outros, mas também das suas dores, sofrimentos e gritos.
  1. Sim, o dom é primeiro. A Palavra criadora de Deus está antes das coisas, da história e de mim. Ou não seria Palavra criadora! E ainda antes de mim estão outras mãos que me acolhem com carinho. É suficientemente claro que não fui eu o primeiro a chegar aqui. Diz Deus para Baruc e para mim: «Tu procuras para ti coisas grandes! Não procures! Porque eis que Eu farei vir a desgraça sobre toda a carne, oráculo do Senhor. Mas darei a ti a tua vida como despojo em todos os lugares para onde fores» (Jeremias 45,5). E João, o Batista, aponta a cada um de nós a fonte da vida e do dom, afirmando: «Um homem nada pode receber, a não ser que lhe tenha sido dado do céu» (João 3,27). E São Paulo deixa a retinir nos nossos ouvidos a pergunta essencial: «Que tens tu que não tenhas recebido?» (1 Coríntios 4,7).

 

  1. No Tratado Pirqê ’Abôt (2,9), da Mishna judaica, Yohanan ben Zakai pergunta aos seus discípulos: «Qual é o caminho mau de que o homem se deve afastar?». E Rabi Simeão respondeu: «Pedir emprestado e não restituir». Mas acrescenta logo que «é a mesma coisa receber emprestado de um homem ou de Deus». E o grande filósofo hebreu Abraham Joshua Heschel comenta de forma certeira e incisiva: «Talvez esteja aqui o núcleo da miséria humana: quando nos esquecemos de que a vida é um dom e também um empréstimo».
  1. Em boa verdade, quando dou por mim, já tenho coisas atrás, já estou sempre depois do meu nascimento, já tenho um pai e uma mãe, já sou filho. E reconhecer-me filho é descobrir-me como receção originária da vida, proveniente de um amor que me precede. Verdadeiramente, quando começamos a dar por nós, o espanto primeiro que nos invade não é o mundo, mas alguém que começamos a ver diante de nós. Alguém: o dom de outras mãos que amorosamente se estendem para nós. «A primeira experiência da pessoa, diz bem Emmanuel Mounier, é a experiência da 2.ª pessoa: o tu, e, portanto, o nós, vem antes do eu». O «bom dia» precede o «cogito». Nós não somos incestuosa e tautologicamente filhos de nós mesmos, como requer o célebre «cogito ergo sum» [= «eu penso, logo existo»] cartesiano ou o faraónico «ego feci memetipsum» [= «eu fiz-me a mim mesmo»] (Ezequiel 29,3). Eu não sou a origem, o senhor e o centro do mundo. «Eu» dou por mim como «eis-me-aqui», como tantas vezes na Bíblia se vê e ouve.
  1. Um dom imenso nos precede. Mas o dom é sempre frágil. É como um vaso cheio de afeto, que se quebra logo que o recebedor o comece a considerar como seu. Na verdade, não se possui senão para se perder, e só não se perde o que se dá. Aproveitemos então, caríssimos irmãos e irmãs, este tempo santo da Quaresma para fazer a experiência de tudo receber de Deus e tudo partilhar com alegria com os nossos irmãos, na certeza de que «Deus ama quem dá com alegria» (2 Coríntios 9,7; cf. Atos 20,35; Tobias 4,16).
  1. Façamos pois, amados irmãos e irmãs, do tempo da Quaresma um tempo de diferença, e não de indiferença. Dilatemos as cordas do nosso coração até às periferias do mundo, e que o nosso olhar seja de Misericórdia para os nossos irmãos de perto e de longe. Façamos um exercício de verdade. Despojemo-nos, não apenas do que nos sobra, mas também do que nos faz falta. Dar o que sobra não tem a marca de Deus. Jesus não nos deu coisas, algumas coisas para o efeito retiradas da algibeira, mas deu por nós a sua vida inteira. Dar-nos uns aos outros e dar com alegria deve ser, para os discípulos de Jesus, a forma, não excecional, mas normal, quotidiana, de viver. Como em anos anteriores, peço aos meus irmãos e irmãs das 223 paróquias da nossa Diocese de Lamego para abrirmos o nosso coração a todos os que sofrem aqui perto e lá longe.
  1. Neste sentido, vamos destinar uma parte da esmola da nossa Caridade quaresmal para o Fundo Solidário Diocesano, para aliviar as dores dos nossos irmãos e irmãs de perto que precisam da nossa ajuda, e são cada vez mais. Olhando para os nossos irmãos e irmãs de longe, vamos destinar outra parte do esforço da nossa Caridade para levar um pequeno gesto de carinho aos nossos irmãos e irmãs da África e da América Latina, mais concretamente de Moçambique e da Bolívia, países em que os Missionários Espiritanos têm missões que necessitam do nosso apoio. O motivo de este ano canalizarmos a esmola da nossa Caridade através dos Missionários Espiritanos reside no facto de a Província Portuguesa dos Missionários Espiritanos estar este ano de 2017 a celebrar 150 de presença em Portugal. Este caminho da nossa Caridade Quaresmal será anunciado, como de costume, em todas as Igrejas da nossa Diocese no Domingo I da Quaresma, realizando-se a Coleta no Domingo de Ramos na Paixão do Senhor.
  1. Com a ternura de Jesus Cristo, saúdo, no início desta caminhada quaresmal de 2017, Ano do Centenário das Aparições de Nossa Senhora em Fátima, todas as crianças, jovens, adultos e idosos, catequistas, acólitos, leitores, salmistas, membros dos grupos corais, ministros da comunhão, membros dos conselhos económicos e pastorais, membros de todas as associações e movimentos, departamentos e serviços, todos os nossos seminaristas, todos os consagrados, todos os diáconos e sacerdotes que habitam e servem a nossa Diocese de Lamego ou estão ao serviço de outras Igrejas. Saúdo com particular afeto todos os doentes, carenciados e desempregados, e as famílias que atravessam dificuldades. Uma saudação de particular carinho a todos aqueles que tiveram de sair da sua e da nossa terra, vivendo a dura condição de emigrantes.
  1. Que o Deus da Paz nos conceda uma abundante chuva de Graça e de Ternura, e que Maria, nossa Mãe, Senhora do Rosário de Fátima, seja nossa carinhosa Medianeira.

Lamego, 1 de março de 2017, Quarta-feira de Cinzas

Na certeza da minha oração e comunhão convosco, a todos vos abraça o vosso bispo e irmão,

+ António


PEMBA - 8 de  Fevereiro de 2017


Amigos,

Sou o Padre Ricardo Marques, Missionário da Boa Nova, pároco da paróquia de Maria Auxiliadora, em Pemba, Moçambique.

Venho, por este meio, agradecer a vossa ajuda, através do projecto Missão 4 X 4, lançado pela ARM, cujo valor reverterá para ajudar à aquisição de um novo veículo para esta missão.

Graças à vossa ajuda teremos melhores condições para atender às necessidades das pessoas mais carenciadas desta paróquia. Por esse motivo, agradeço pela ajuda e invoco a bênção de Deus e a protecção maternal de Maria para todos vós e para todas as vossas  famílias.


Nota: Parece que ainda não têm o valor suficiente para o Toyota 4 X 4. Apelo à generosidade dos Armistas e a um esforço suplementar para se conseguir no montante apresentado pelo armista Sérgio Cabral. Podem ler a sua mensagem aqui.

 


 

 

Padre André Marcos

7-Janeiro-2017


Pelas vinte e três horas e cinquenta e oito minutos de ontem, dia 07 de Janeiro de 2017, véspera da Epifania, o INEM chamado para assistir o P. André Marcos, viu-se na situação de atestar a sua morte.

Há uma semana, ele foi levado às urgências hospitalares, fez todos os exames e constataram fraqueza geral dos músculos e do coração. Passou esta semana com dificuldades, mas perfeitamente lúcido. Conversava com as visitas, inclusive com o Dr. Castro Ribeiro que fez o favor de acompanhar os seus últimos dias.

Hoje, Domingo, o Seminário da Boa Nova reza por ele na celebração da Epifania às 12 horas. Teremos celebração especial de Eucaristia com vésperas, às 18 horas. Na segunda feira celebraremos às 12 horas.

O Padre André Marcos tinha 88 anos de idade e sessenta anos de padre, pois nasceu a 09.11.1928 em Duas Igrejas, na Diocese de Bragança – Miranda e foi ordenado padre a 29.06.1956. Trabalhou em Moçambique e em Portugal. Foi o primeiro reitor do Seminário da Boa Nova, em 1962 e foi seu ecónomo por muitos anos.

Damos graças a Deus pela riqueza da sua vida missionária, pedimos ao Senhor da Messe que o receba no Seu Reino e que nos dê a mesma coragem de sermos missionários até ao fim.

À sua família, a solidariedade das nossas orações.

A pedido de sua Família o Padre André Marcos será sepultado em Vilar Seco, sua terra natal. Portanto altera-se o programa:


- Amanhã, dia 9, às 14h, o seminário da Boa Nova celebra Eucaristia presidida por D. António Augusto Azevedo, Bispo Auxiliar do Porto.
- Terça feira, dia 10, as exéquias são em Vilar Seco, concelho de Vimioso, às 9h30, presididas por D. António Couto.

 

a) P. Jerónimo Nunes


Do Facebook

P. ANDRÉ MARCOS
SOCIEDADE MISSIONÁRIA DA BOA NOVA

O P. André Marcos nasceu em Duas Igrejas, Miranda do Douro a 11 de Setembro de 1928. Era filho de Álvaro Augusto Marcos e de Adélia de Jesus Jorge. Entrou no Seminário das Missões de Tomar em Setembro de 1942 e fez o primeiro juramento missionário a 15 de Setembro de 1952. Foi ordenado sacerdote a 29 de Junho de 1956 no Seminário de Cucujães. Iniciou a sua actividade missionária no Seminário de Tomar como prefeito e vice-reitor. Em 1961 veio para Valadares como primeiro superior da casa. Partiu para as missões de Moçambique em Outubro de 1964 onde permaneceu praticamente até 1996, apenas com alguns intervalos em Portugal. Depois do seu regresso ficou no Seminário de Valadares, sempre ligado à economia e aos serviços da casa. Faleceu neste Seminário na noite de 7 de Janeiro de 2017.
Em África, distinguiu-se como homem prático. Perante as dificuldades, encontrava sempre a solução para as coisas às vezes complicadas. Durante os tempos difíceis da revolução, também ele foi despojado de tudo como os outros missionários. Permaneceu sempre em Moçambique. Perante as dificuldades, descobria sempre maneiras de as ultrapassar, e com vantagem. Conseguiu não só sobreviver mas até, com a sua criatividade, livrar outros de grandes dificuldades.
Quando regressou a Portugal já vinha bastante debilitado. Teve que ser submetido a várias intervenções cirúrgicas, mas nunca desistiu de viver. Devido ao seu carácter prático e inventivo, foi capaz de transformar várias situações difíceis em novas iniciativas.
Na última fase da vida começou a ter vários limites, sobretudo de locução. Mas nunca parou. Com a sua scouter eléctrica ele ia a todo o lado: preparou rampas para subir ao primeiro andar onde vivia e para ir a todas as refeições na sala de jantar e à Igreja para a eucaristia. Mesmo debilitado, celebrava, com a ajuda dos companheiros, a eucaristia diária e tinha ao seu lado o enorme terço com contas de madeira que rezava pelas missões e por toda a Sociedade Missionária. Que o Senhor o receba na Sua Glória, e que seja nosso intercessor junto de Deus.

a) P. Jerónimo Nunes

 


 

 

 

Notícias de anos anteriores - CLICAR AQUI

 


 

NOTA DA REDACÇÃO - Para que esta página não ficasse tão lenta como estava, resolvemos nela publicar somente os conteúdos que nos vão chegando referentes ao ano em curso. As notícias dos anos anteriores foram transferidos para os Arquivos de notícias onde as poderão ler clicando aqui.


 

 

 

 

 

 

 

 

 

VISITANTES

Contador de visitas



 
 

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.

 
 
 
 
Share